Coisas Que Eu Faria Se Fosse Milionário – Proteção aos Animais

Padrão

Imagine que cada vez que você vê alguma coisa inútil na televisão você ganhasse 5 reais! O que você faria com esses 2 milhões de reais diários?

As vezes eu fico pensando nisso, e percebo que não tenho muito o que fazer com tanto dinheiro, afinal de contas tudo o que eu queria é um videogame novo!

Mas hoje eu vi um documentário sobre a caçada de animais em extinção, e tive um boa ideia!

O ser humano é uma criatura muito vil e covarde mesmo, essa maldita raça se aproveita de seus polegares opositores e seu cérebro evoluído para fabricar vários tipos de armas de longo alcance e matar as outras espécies. Mas isso só vai durar até o dia em que eu ficar milionário (nunca).

Apesar de se considerar muito inteligente e espertos os humanos são bem confusos e supersticiosos, e são essas características que me levaram a desenvolver esse plano.

Eu estou desenvolvendo um projeto para deixar essas caçadas um pouco mais justas. Funciona assim:

1º passo: Ficar Milionário

2º passo: Descobrir os locais onde existem animais em extinção devido a interferência humana

3º passo: Comprar uma fantasia ou um robô do respectivo animal e adquirir poder bélico considerável.

4º passo: Ir até a localidade escolhida e me camuflar entre os animais.

5º passo: Quando aparecer algum caçador eu alvejo, metralho, dilacero, decapito, empalo, queimo ou só mato.

Resultado: Pela lógica do comportamentalismo as caçadores tendem a achar que existe algum tipo de maldição no local, algum tipo de espírito, monstro, E.T., ou algum tipo de lunático armado que mata todo mundo que aparece por ali. E se por acaso as pessoas continuarem tentando matar os animais, elas vão continuar morrendo até que não a sociedade se torne insustentável. Simples assim.

O projeto ainda está em desenvolvimento, mas eu tenho grande expectativas, a seguir eu tenho alguns esboços:

Tartaruga da Floresta Arakan (Em Extinção)

Tartaruga Troladora de Homens (Fim dos Problemas)

Lobo Etíope (Em extinção)

Lobo Epistoleiro (Mantém humanos longe)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Assim que eu conseguir o 1º passo eu ponho o plano em prática. Por enquanto eu vou acertando alguns detalhes.

Até mais

Cristian Douglas Piovesan

Anúncios

Kids

Padrão

The life, however hard it is, sometimes gives us short moments of joy! To see a child playing, for instance, makes us think about how much we complicate the simple concept of happiness!

Our worries are so intense that we end up forgetting about simpler things of life. To be satisfied we need so many things, respect, love, money, beauty, etc. But the truth is that all of this is superficial, all so unnecessary and worthless.

But when we look at a child we can see the true happiness, without demands, without fakes, without reason. No, I lied, there is a reason: a bucket.

Obviously, all this joy passes for the mommy e whoever is near, including the photographer!

To see more photos, add us in Facebook:  http://www.facebook.com/TatiCavalheiroFotografia

Thanks for reading

Later!

Crianças

Padrão

A vida, por mais dura que seja, as vezes nos presenteia com curtos momentos de alegria! Ver uma criança brincando, por exemplo, faz agente pensar em como agente complica o simples conceito de felicidade!

Nossas preocupações são tão intensas que acabamos deixando de lado as coisas simples. Pra nos sentir satisfeitos necessitamos de tantas coisas, respeito, amor, dinheiro, beleza, etc. Mas na verdade isso é tudo superficial, tudo tão desnecessário e desprezível.

E quando agente olha uma criança agente consegue ver a verdadeira felicidade, sem exigências, sem falsidade, sem motivo. Não, minto, tem motivo sim: Um balde!

E obviamente, toda essa alegria passa para a mamãe e para quem estiver por perto, inclusive a fotógrafa!

Para ver mais fotos nos adicione no facebook: http://www.facebook.com/TatiCavalheiroFotografia

Abraço pessoal

The Pope’s Toilet

Padrão

Watching movies is very pleasant (obviously), but there’s a small problem that sometimes turns the film boring and “sleepable”, it’s the predictability. Movies are relatively short, well I’m 23 yet and I think I already have watched at least 300 movies, at least.

The writers must have nightmares trying to have good original ideas, poor things.

Meanwhile we, sometimes, get sick of so many vampires, almost impossible loves , fired policeman, zombies, war, spaceships, bang-bangs and other repeaters. What can be worse that discovering end in the first 10 minutes of film.

If you also like different movies I suggest The Pope’s Toilet. The name seems weird but the movie quite … weird. In fact it is the history of the poor civilization  in the uruguayan city of Melo, bordering Brazil. These people see on the news that they will be blessed with the Pope’s visit in their humble city. The media predicts that thousands of pilgrims should follow the Pope in it’s stop by Melo, this represents an opportunity for “melanians”, because pilgrims need and buy food, beverages and supplies.

Then a guy named…… Enough! Better not spoil anymore. Below is the trailer for the movie, but I recommend that you DO NOT WATCH THE VIDEO because it spoils some surprises of the history. But I know some people like to read synopses before watching the movie and not resist trailers, then there is, but I insist that you DO NOT WATCH, hold your curiosity.

 

 

Congratulations, I’m glad you did not watc… what? you watched the trailer? So, now all that remains  is to watch the movie. I found the movie to be awesome, worthy of all the awards it won at Cannes, International Film Festival of São Paulo and Latin American Film Festival of Huelva.

It’s good to see a movie that shows the reality of humananity, of course fiction makes room for amazing stories, but the real stories are the ones that make us reflect on our condition of living thinking beings.

Well, enjoy the movie!

 

Cristian Douglas Piovesan

Movie Watcher

O Banheiro do Papa

Padrão

Assistir filmes é muito gostoso (óbvio), mas tem um pequeno problema que as vezes torna o filme entediante e dormível, a previsibilidade. Apesar de se chamarem “longa-metragens”, se agente para pra pensar, duas horas não são muita coisa. Se contar só os filmes da Sessão da Tarde, eu já assisti pelo menos uns 300 filmes, isso que eu só tenho 23 anos.

Os roteiristas devem ter pesadelos tentando ter boas idéias originais, coitados. Enquanto isso agente fica de saco cheio de tantos vampiros, amores quase impossíveis, policiais demitidos, zumbis, guerras, naves espaciais, bang-bangs e talz. E o pior é que nos primeiros 10 minutos de filme já é possível saber o final.

Se você também gosta de filmes diferentes eu sugiro O Banheiro do Papa. O nome parece meio esquisito mas o filme é bem… esquisito. Na realidade é a história da pobre civilização da cidade uruguaiana de Melo, fronteira com o Brasil, que recebe a notícia que será abençoada com a visita do Papa. A mídia prevê que com o Papa venham milhares de peregrinos, o que representa uma oportunidade para os melanos, afinal de contas os peregrinos precisam de comidas, bebidas e suprimentos.

Então um cara chamado… chega! Melhor não dar mais spoiler. A seguir tem o trailer do filme, mas eu recomendo que você NÃO ASSISTA O VÍDEO, porque ele estraga algumas surpresas do filme. Mas, eu sei que algumas pessoas gostam em ler sinopses antes de assistir o filme e não resistem a trailers então, aí está, mas eu insisto que você NÃO ASSISTA, segure a curiosidade.

 

 

Parabéns, ainda bem que você não assist… o que? você assistiu o trailer? Então agora só resta assistir o filme. Eu achei o filme lindíssimo, merecedor dos vários prêmios que ganhou no festival de Cannes, Mostra Internacional de Cinema de São Paulo e Festival de Cinema Latino-Americano de Huelva.

É bom ver um filme que mostra a realidade humana, é claro que a ficção abre espaço para histórias incríveis, mas são as histórias reais que nos fazem refletir sobre nossa condição de ser vivo pensante.

Bom filme pra você!

 

Cristian Douglas Piovesan

Assistidor de filmes diversos

A Existência Humana e o O Drama de Angélica

Padrão

Música, é complicado falar de música. Ainda mais de música brasileira, tão diversificada e tão rica.

Eu costumo dizer que as etapas da existência humana podem ser dividas em períodos musicais, isso porque as músicas que ouvimos marcam uma fase de nossa vida, e aquele esquema de dividir a vida em nascer, desenvolver, reproduzir e morrer é muito sem graça e muito falho, eu conheço várias pessoas que não se reproduzem (mas fazem sexo normalmente [ou não]), e tenho uma amiga que não desenvolve (só cresceu até 1 metro e meio), nem por isso podemos dizer que eles tem um ciclo de vida incompleto. hehe

A minha experiência musical foi bem divertida, foi cronologicamente aproximadamente assim:

Eu comecei a vida musical com Mamonas Assassinas, um banda muito engraçada apesar de eu não entender muito bem o que eles diziam naquela época, eu ficava me perguntando: como assim “ainda não comi ninguém”? Como assim “Os pelos do saco enrolar com os do cú”? e talz. Começava aí a influência Rock n’ Roll.

Mamonas Assassinas morreram, eu conheci Gabriel o Pensador e Planet Hemp, ou seja eu conheci o rap. Mas caso você não conheça essas bandas, ambas tem uma mescla de Rock envolvido. Nessa época eu já tinha entendido as letras do Mamonas, ou seja, eu já sabia o que era “comer o cú de alguém”, e aprendi coisas infinitamente mais produtivas com essas bandas como, responsabilidade social, liberdade de expressão, a situação Brasil, a vida dos miseráveis, a sacanagem dos políticos, e principalmente a importância da música na vida e na mente.

Mais tarde, com o ouvido mais apurado e uma exigência muito maior em relação às letras e filosofias das músicas eu comecei a gostar de Metallica e outras bandas de Rock, e apesar da toda a influência boa que a música tinha na minha vida até aquele momento, havia algo que a música não havia me ensinado, a aceitação de outras músicas.

Meu pensamento crítico estava afiadíssimo, mas meus ouvidos estavam tão viciados à guitarra que eu não conseguia apreciar uma boa gaita de fole ou um banjo. Foi aí que eu conheci uma grande dupla musical, Alvarenga e Ranchinho e uma das músicas mais engraçadas e geniais que eu já ouvi “O Drama de Angélica”.

A música é tão simplória e tão inteligente, que eu recebi como um soco na cara, eu me senti muito confuso quando escutei pela primeira vez, eu não podia acreditar que eu estava gostando de música caipira, mas eu estava SIM adorando música caipira.

Então eu aprendi a ser mais musicalmente flexível, aceitar ritmos novos, instrumentos novos, e tive várias outras epifanias musicas, como piano clássico, música armênia, flautas japonesas, rock coreano, theremim (o primeiro instrumento musical eletrônico, pretendo fazer um post só sobre ele), música gaúchesca, etc.

Eu recomendo a qualquer tenha um admiração (a admiração se torna fanatismo sem que você perceba) muito grande por um estilo musical que experimente músicas novas, instrumentos novos, realidades novas. E você que está me lendo agora já teve estas experiências? Se teve, eu peço que me indique novos estilos de músicas, eu mal posso esperar pra descobrir que outros tipos de barulhos podem ser transformados em música.

Porque como eu disse anteriormente, não se pode interpretar a vida de forma tão básica e robótica como simplesmente nascer, desenvolver, reproduzir e morrer. Musicalmente o indivíduo só tende a evoluir, e quando evoluímos na música, evoluímos  no intelecto, evoluímos na vida.

 

Cristian Douglas Piovesan

Gosta de Músicas Diferentes